Diversidade Cultural

Ao sabor do freguês: da culinária regional à alta gastronomia 

Uma questão relevante, que envolve o planejamento de uma política de turismo gastronômico em Brasília, é saber se, com apenas 52 anos, a cidade conseguiu desenvolver uma identidade culinária própria.

Cerca de metade dos 2,5 milhões de habitantes do Distrito Federal veio de fora e trouxe suas tradições. Segundo o IBGE, mais de 52% dos imigrantes são nordestinos. Os 5,8 km• que compõem a capital federal fazem fronteira com Goiás e com o Triângulo Mineiro. Desde que começou a ser construída, a cidade abriga comunidades de todo o país e de outros países.

Se por um lado a cidade ainda não tem pratos nem bebida típicos, não lhe falta diversidade. Brasília conta com uma variedade de restaurantes rara de se ver no Brasil. A gastronomia do DF é caracterizada por abrigar pratos de diferentes origens. Por isso, a variedade acabou tornando-se a marca de Brasília, e isso se reflete no cardápio.

É interessante observar que, nos últimos tempos, chefs de prestígio (como Simon Lau Cederholm, do Aquavit) começaram a utilizar ervas, vegetais e frutas do cerrado em seus pratos. Ingredientes locais, como a taioba e o pequi, agora chegam à mesa reconfigurados e valorizados.

Também cresce na capital federal o movimento Slow Food, que lança mão de princípios como a alimentação feita de forma lenta e concentrada, a ecogastronomia e o aproveitamento de produtos de bioma locais, como o Cerrado. Os encontros envolvem chefs, profissionais do setor e amantes da boa comida e ocorrem em restaurantes como o Panelinha, no Setor Hospitalar Norte.

Ações consolidam Vila Planalto como polo gastronômico e cultural do DF

A Região Administrativa do Plano Piloto inclui também a Vila Planalto, um pequeno núcleo habitacional tombado pelo Governo do Distrito Federal em 1988, ocupado com casas de madeira que eram destinadas aos primeiros técnicos e engenheiros contratados para a construção de Brasília. Hoje, a região é também um relevante centro gastronômico do Distrito Federal

A Vila Planalto está situada entre o Setor de Clubes Norte e a Via N2, logo atrás da Esplanada dos Ministérios, distante apenas 4 km da rodoviária do Plano Piloto. A região ocupa uma área de 473,03 km2.

Os restaurantes locais são frequentados diariamente por mais de 2 mil pessoas na hora do almoço. Com o intuito de consolidar a região como um polo gastronômico e cultural e torná-la referência para o turismo do Distrito Federal, foram realizados cursos de manipulação de alimentos e atendimento ao cliente no polo da Vila Planalto.

O projeto é desenvolvido pelo Ministério do Turismo (Mtur) em parceria com a Secretaria de Turismo do DF e o Instituto Cultural e Educacional do Paraguaçu (Incep). Ao todo, 143 pessoas foram qualificadas. Além disso, foram realizadas ações com chefs de cozinha para inovação dos cardápios dos restaurantes.

Uma equipe composta por arquiteto e designer foi contratada para propor ações de ambientação e identidade visual em 26 estabelecimentos. A ação vai trazer resultados positivos tanto para a qualificação de restaurantes locais, de importante identidade histórica, quanto para a reconfiguração de uma área importante da cidade.

Também foram lançados o site www.vilaplanaltodf.com.br e o Guia de gastronomia e cultura da Vila Planalto. O material traz informações sobre a região, os restaurantes e os grupos culturais (artesãos e músicos) identificados e qualificados pelo projeto.

A Vila Planalto foi estruturada com placas de identificação dos estabelecimentos – para orientar os turistas – e com um roteiro que pode ser feito a pé para o turista desfrutar comidas, bebidas e doces regionais. O próximo passo do projeto é um diagnóstico empresarial, cultural, arquitetônico e urbanístico da região para qualificar os empreendimentos.

Projeto Beira Lago 

Atualmente, o projeto Beira Lago já é uma realidade para brasilienses e turistas. O complexo de lazer conta com uma vista privilegiada para a Ponte JK e abriga empreendimentos voltados às áreas gastronômicas, lazer e espaço para eventos.

Além disso, o Beira Lago é composto também por calçadas, píeres, iluminação, paisagismo e área para esportes. O espaço já é mais um cartão postal da cidade, encontra-se em ponto perceptível e recebe um fluxo de aproximadamente 100 mil veículos por dia, para receber os potenciais consumidores que chegam ou estão na capital.

A iniciativa é parte do Projeto Orla, que recebeu R$ 2,1 milhões em investimentos e conta com uma área de 35 mil m² divididos em 43 lotes comerciais do ramo gastronômico. O potencial é o mesmo do Pontão do Lago Sul, um complexo de lazer com vista privilegiada para o Lago Sul que conta com restaurantes, bares, quiosques, parquinho, caixas eletrônicos, feiras, exposições, shows e eventos esportivos. O Pontão recebe por mês cerca de 200 mil pessoas.

O Beira Lago funciona no modelo de parceria público-privada (com administração compartilhada entre GDF e empresários). Além dos restaurantes, o espaço é aberto à população.

A proximidade com a Ponte JK, um dos pontos turísticos mais visitados da capital, potencializa o Projeto Beira Lago – Foto: Kazuo Okubo